Nota do editor

Recomendado.

8
Produção
7
Repertório
7.5
Projeto gráfico
7
Interpretação

Em 3 de setembro deste ano, Fernandinho lançou um álbum acústico de quinze canções, contendo regravações e uma canção inédita. Após o notável sucesso de Teus Sonhos, Fernandinho Acústico surge e, apesar de ser um projeto com regravações, apresenta-se com o mesmo impacto de uma obra inédita em sua discografia. O repertório contém vários de seus hits, e o instrumental é baseado em estruturas acústicas, com uso de violão, sintetizadores, baixo, banjo, instrumentos sinfônicos de cordas e bateria.

A primeira música retirada do quarto álbum do cantor, “Tudo o que eu quero“, teve uma ótima adaptação ao acústico. Utilizou-se de arranjos sinfônicos, teclados, violão, baixo e bateria. Aplausos ao solo de violão e ao final da música com uma forte sonoridade blues, country e até southern rock. Segunda melhor canção do álbum.

Mil Cairão”, do último disco lançado, teve uma interpretação de boa qualidade. Introdução com belos dedilhados de violão, refrão marcante, ponte com belos dedilhados. A composição baseia-se em Salmos 91.7.

A tão repetitiva “Se Não For pra Te Adorar“, canção na quais grandes partes das igrejas cristãs utilizam-se no momento do ofertório, foi a melhor adaptação do CD. Estruturada em country, a canção ficou incrivelmente impactante, mais interessante que a própria versão original gravada na segunda obra apática de “Faz Chover”, principalmente pelo uso de banjo na instrumentação. Contou com a participação de David Quinlan.

Pra Sempre” (“Forever”) é a única inédita da obra, porém uma versão de Kari Jobe. É interpretada por Fernandinho, juntamente à sua esposa, Paula Santos. A canção é de autoria de Jenn Johnson, Joel Taylor, Gabriel Wilson “Gabe” e Briam Johnson. A balada consiste mais na presença de sintetizadores, e no fundo há uma presença de banjo. A letra retrata a morte de Cristo na cruz para nos salvar. Apesar de ser a única exclusiva do álbum, surgiu com uma faixa solta, uma canção sem grandes expectativas, apenas como um cover ressaltando a ligação com a música internacional.

Regravada do insípido disco que leva o nome da composição, “Faz Chover” teve a participação de vários cantores internacionais, um capricho extravagante, sem muitas diferenças na organização do arranjo. Contém uma camada de arranjos de cordas que embelezam a canção. No final desta, há uma espécie de clamor bem curto. As parcerias ressaltam o reconhecimento internacional do músico, com as inclusões de vários cantores de vários países.

Mais Alto”, retirada da era invernal musical do compositor, nos velhos tempos de Abundante Chuva, é conduzida por belos toques de teclado, que é o ponto positivo da canção, em comparação ao arranjo rítmico e harmônico do violão um pouco maçante.

Pai de Multidões” segue a mesma linha da canção anterior, porém mais pedante. No entantoa ponte da canção possui uma parte consideravelmente bonita, tanto no arranjo, como na letra: “Consolar os que choram / Libertar os cativos / Preparar o caminho / Anunciar Tua salvação”.

Eu Vou Abrir o Meu Coração” foi bem interpretada com toques de teclados e presença de violino, melhor que a versão original da segunda obra Faz Chover, que contém uma estrutura melódica bem cansativa. Percebe-se na parte lírica a influência do livro de Cantares. Contou com a participação da cantora Fernanda Brum.

A faixa-título do penúltimo recém-lançado disco, “Teus Sonhos”, tem uma introdução interessante de violão que sua organização musical poderia ter sido mantida baseada em dedilhados ou melodicamente semelhante à introdução.

Nada Além do Sangue”, outra do frutífero Sede de Justiça, é conduzida com dedilhados, entre notas de teclados, possuindo uma boa interpretação. A canção contém um coral no final.

A canção que leva o nome do ótimo álbum de “Uma Nova História”, é baseada na história de Abraão e tem um ajuste acústico agradável, possuindo toques de acordes na região aguda do violão, algo que teve na maior parte das canções do álbum, o que evidencia o uso de capotraste.

O Hino”, outra canção do último álbum do Fernandinho, é arranjado de forma interessante, maçantes em algumas partes, boas em outras, salva pelos toques de violino. “Te Adorar”, extraída do segundo disco de Fernandinho, possui um refrão grudento, e o restante é bem tedioso. Teve a participação de Aline Barros. Sem dúvida, foi uma das canções menos empolgantes, de menor qualidade do álbum. A presença notável de Aline no backing vocal não salvou a composição da insipidez.

A canção baseada em um capítulo de Habacuque e sacada do sexto trabalho do músico, “Ainda que a Figueira” foi a terceira melhor adaptação do álbum. Orientada pelo country e folk, possui cativantes arranjos de banjo na canção. Uma ótima interpretação. A canção poderia ter tido um solo de violão ou banjo adaptado para o acústico, pois ficaria espetacular.

Dançar na Chuva” foi brilhantemente repaginada. Toques de violão estupendos, arranjos de sintetizadores às vezes meio espaciais, no estilo rock que ela tem. Uma das melhores do CD.

O novo álbum de Fernandinho possui ótimas interpretações, outras medianas, segmentadas pelo folk, country e blues. Teve poucos exageros no aspecto vocal de Fernandinho, e os arranjos sinfônicos que foram utilizados nas músicas são encantadores e inéditos na discografia do cantor. Desde o primeiro álbum do artista, que foi musicalmente lamentável, o avanço na qualidade das produções dos CDs é notável. Todavia, algumas canções importantes de sua carreira poderiam ter estado neste repertório, como “Há um Rio”, “Sede de Justiça”, “Eu Fui Comprado” e “Eu Vou Subir a Montanha”.

Fernandinho Acústico foi gravado e produzido no estúdio Asterisk Sound, o que fez uma enorme diferença na qualidade de produção e editorial do projeto, localizado no estado do Texas, nos Estados Unidos, com Fernandinho (vocais e violão), Mark “The Shark” Waldrop ( uitarra acústica, percussão e banjo), Jeremy “B-Wack” Bush ( bateria), Mike “Mike D” Dodson ( baixo, teclado, piano) e Jack Parker (violão, guitarra acústica e banjo), músicos pertencentes a banda The Digital Age. No dia 12 de novembro, recebeu disco de ouro, na Igreja Batista de Lagoinha, por mais de 40 mil cópias vendidas.