André Valadão – discografia e obra


Ex-vocalista do grupo Diante do Trono, André Valadão é uma das vozes masculinas mais conhecidas do gospel contemporâneo. Com uma carreira solo de mais de dez anos, o cantor soma milhões de cópias vendidas.


Guia discográfico

Mais que Abundante (Diante do Trono/2004): Apesar da riqueza instrumental e de, teoricamente, ter sido criado para ser o sétimo álbum do Diante do Trono, Mais que Abundante só cumpriria sua função vital se tivesse carregado o nome do Diante do Trono. Há pouco, essencialmente, de André Valadão no registro, o que não desmerece, por sua vez, a qualidade dos arranjos e repertório. (Nota: [usr 3])

Milagres (Diante do Trono/2005): Mesmo ainda como um embrião do Diante do Trono, André Valadão começava a por as “garras” para fora e apresentava seu som, mais pautado no pop rock e menos sinfônico. Apesar de conter algumas músicas dispensáveis, Milagres contém seus pontos altos. (Nota: [usr 3.5])

Alegria (Diante do Trono/2006): Dando seguimento as mudanças lentamente trazidas em Milagres, André Valadão sai, aos poucos, da sua zona de conforto. Há algumas canções que se destacam, como “Alegria”, “País da Adoração” e “Em Qualquer Lugar”. (Nota: [usr 3.5])

Clássicos (Diante do Trono/2007): Trazendo ‘hinos’ antigos que aos poucos tem sido esquecidos, André Valadão trouxe, em sua carreira, uma ideia já comum no mercado gospel. As execuções instrumentais são impecáveis, os arranjos são interessantes, pouco ousados, no entanto, há pouco feeling nas interpretações. (Nota: [usr 2.5])

Sobrenatural (Diante do Trono/2008): Ruben di Souza foi o responsável por dar, a André Valadão, uma identidade musical que finalmente o dissociasse do Diante do Trono. Em Sobrenatural, o cantor finalmente assume uma sonoridade pop rock, com mais guitarras e com arranjos menos densos e “pomposos” de sua ex-banda. (Nota: [usr 4])

 (Graça Music/2009): O auge conceitual e musical de André Valadão está em Fé, que conseguiu, aplicar, em uma atmosfera ao vivo, toda a maturidade alcançada em Sobrenatural. Com canções, em maioria, autorais, foi um dos melhores álbuns do ano. (Nota: [usr 4.5])

Minhas Canções na Voz de André Valadão (Graça Music/2010): Musicalmente bem estruturado pela produção musical de Ruben di Souza, que deu a cara pop gringa necessária a André Valadão, é um disco agradável de ouvir. Se as letras de R. R. Soares não soassem tão infantis e fracas, seria um dos melhores discos de André. (Nota: [usr 3.5])

Aliança (Onimusic/2011): Conceitualmente repetitivo, revela uma forte crise de criatividade do cantor, que não soube explorar a temática da aliança divina de Deus com o homem. (Nota: [usr 2])

Fortaleza (Som Livre/2013): Com produção musical ruim e mal mixado, Fortaleza até tenta agradar no repertório, que é manchado por maus aspectos técnicos. (Nota: [usr 2.5])

Versões Acústicas (Som Livre/2014): Se entregando a não gravar nenhum material autoral, o registro é a prova de decadência não apenas do artista, mas do meio fonográfico cristão. (Nota: [usr 2])


Notícias e matérias sobre o André Valadão

Para ver todo o conteúdo sobre ou relacionado ao André Valadão no O Propagador, clique aqui.

Previous Deus em Debate - Adão e Eva foram pessoas reais, ou apenas um mito?
Next Para refletir - Dando voltas, sempre ao mesmo lugar

5 Comments

  1. […] […]

  2. […] por R.R. Soares, André Valadão e Ruben di Souza, “Santidade” é uma canção suave, conduzida pelo piano de André, e […]

  3. […] final do mês de setembro, André Valadão recebeu destaque dentre a imprensa evangélica após o Presidente da Câmara Municipal de Cabo do […]

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *