Conhecido também por ser vocalista e guitarrista da banda de rock Rebanhão, Carlinhos Felix mantém carreira solo desde o início dos anos 90 e é um dos intérpretes mais conceituados da música cristã.


Guia discográfico

Coisas da Vida (Warner/1991): A essência musical de Carlinhos nunca soou tão completa quanto em seu trabalho de estreia. Este registro contém suas peculiares formas de produzir música pop, com a colaboração de guitarras por Paulinho Guitarra, mestre do blues no Brasil, e teclados de Pedro Braconnot.. (Nota: 4.5 Stars)

Carlinhos Felix (BMG Ariola/1992): Seguindo a parceria com Paulinho Guitarra e fazendo muitas críticas ao desmatamento e destruição do meio ambiente, o disco conta com bons arranjos, com um repertório de não tanto destaque. (Nota: 3.5 Stars)

Basta Querer (MK Music/1993): Um de seus discos mais conhecidos, Basta Querer consegue ser mais eclético e alegre que o disco anterior, mas peca pela pouca coesão entre as faixas. (Nota: 3 Stars)

Nada a Perder (MK Music/1995): Seguindo a tendência dos anteriores, Carlinhos seguiu em sua pretensão em ser um multifacetado artista pop. Destaque para a regravação “Muro de Pedra”, com os vocais de Paulo Marotta  (Nota: 3 Stars)

Ao Vivo (MK Music/1996): O disco ao vivo que o Rebanhão poderia ter gravado, Carlinhos revisitou as melhores músicas de sua breve carreira solo e ainda agregou clássicos, como “Autor da Minha Fé”, do Grupo Elo. (Nota: 4 Stars)

Toda Reverência (Honor Music/1997): Mais suave, mais introspectivo e mais cansativo, Toda Reverência não se diferencia, musicalmente falando, dos projetos anteriores. (Nota: 2.5 Stars)

Não Desista (AB Records/1999): Menos confortável que o anterior, e com composições mais bem desenvolvidas, e com outros clássicos: “Olhos no Espelho” (Milad) e “Teus Altares” (Jorge Camargo). (Nota: 3 Stars)

Ao Vivo na Flórida (Honor Music/2001): Espontâneo e bem produzido, Ao Vivo na Flórida é o melhor trabalho ao vivo de Carlinhos.  (Nota: 4.5 Stars)

Pensando em Você (Honor Music/2003): Voltando-se ao seu som mais tradicional, este disco de Carlinhos é pouco brilhante, além de conter regravações desnecessárias.  (Nota: 2 Stars)

Na Tua Sombra (Graça Music/2004): Revistando sua sonoridade para algo mais fiel ao pop rock, Na Tua Sombra é o melhor registro de Carlinhos Felix na primeira década do século XXI. Destaque para a canção “Santo Nome” e sua influência de country. (Nota: 4 Stars)

Obediência (Boas Novas/2008): Seguindo as tendências do último disco, o cantor novamente trouxe temáticas congregacionais a um som pop rock. (Nota: 3 Stars)

Primeiro Amor – O Melhor de Carlinhos Felix (Som Livre/2011): Gravado totalmente em estúdio, o disco contém algumas versões a destacar, como a performance, totalmente guiada pelo piano e sintetizadores de “Primeiro Amor”, mas, no geral, muitas das roupagens não se justificam. (Nota: 2.5 Stars)

Lindo Senhor (Sony Music Brasil/2012): Divido em duas partes (uma inédita, outra de regravações), o disco coloca Carlinhos diante das tendências musicais de seu tempo, mas também olhando para trás. (Nota: 3.5 Stars)


Notícias e matérias sobre o Carlinhos Felix

Para ver todo o conteúdo sobre ou relacionado ao Carlinhos Felix no O Propagador, clique aqui.