Para refletir – Elo Perdido


A guerra maior, hoje, não é entre nações e pessoas, todavia em si mesmo. O mundo mudou extremamente a partir do século XX. Após o capitalismo, o fortalecimento da indústria, iluminismo, humanismo e neste atual contexto pós-moderno a sociedade passou por várias transformações, dentre elas um gradual rompimento entre o que pode ser chamado de “tradições”, infiltrando um conceito raso e egocêntrico de liberdade e fuga de todo e qualquer padrão acrescido pela desilusão com o mundo.

Com isto, a forma racional de pensar, contra a religião, até hoje enfraquecida levou, automaticamente, principalmente no viés cristão na desilusão no amor. O elo entre Deus e o homem, em nossa contemporaneidade é considerado como utópico. Em contrapartida, existe outro elo, ao qual, cientificamente é constantemente procurado: a espécie em comum do homem com outros primatas.

Ainda, em nosso século XX, a primeira e segunda guerra mundial, e finalmente com a guerra fria criaram um contexto de angústia, pessimismo e descrédito no mundo. Uma tensão constante, agora inflamada pela nossa frustração. O triunfo sobre os mais fracos nas guerras não deu sequer motivação de sorriso em meio as nossas lágrimas interiores. Vencemos por fora, mas por dentro continuamos em ruínas. Lembro-me do velho ditado: por fora, bela viola, por dentro, pão bolorento.

Como podemos ser felizes vivendo uma vida egoísta, remontando, em novos contextos e épocas os mesmos erros? Há uma estagnação em meio ao aparente progresso. A vaidade do coração humano prossegue intacta, embora aparentemente tudo tenha mudado. Não existem formas concretas e duradouras de ser amado sem amar.

Enquanto isso, muitos, até mesmo cristãos praticantes vivem consumidos pela insatisfação e frustração pessoal. Na busca do antídoto, esquecemo-nos do elo perdido entre o homem e Deus desde o Éden, recuperado na morte de Jesus. E, enquanto não aprendermos a destruir esta guerra interior nEle, constantemente teremos o nosso coração de pedra ferido.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=VVDOPo5-u2M]

Comentários

comments

Previous “Revolução” é o novo clipe da Discopraise
Next Análise: CD The White Room – Jonathan Thulin

2 Comments

  1. […] em cadeias químicas e biológicas, um sistema de fenômenos explicáveis por um microscópico, mas as guerras aumentam, e a depressão agora é o mal do século. A razão tenta explicar todo o mundo, mostrar que toda a existência é perceptível pelos […]

  2. […] a fase da banda pela gravadora Gospel Records. Durante os shows, a banda cantava canções como “Elo Perdido”, “Baião”, “Mistério”, e é claro, “Palácios”. Dico Parente saiu do grupo três […]

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *