Polemizando – Jotta A: o que há de errado com ele?


O jovem e talentoso cantor Jotta A tornou-se sucesso repentino após vencer um concurso de calouros em um programa de TV. Alçado rapidamente a estrela da música gospel, o então pré adolescente Jotta A saiu do completo anonimato para o assédio tresloucado de fãs. Contratado pela Central Gospel Music, Jotta A lançou seu primeiro disco, Essência, vendendo mais de 80 mil cópias e alcançando repercussão em todo o Brasil e até fora dele. Tudo parecia perfeito e realmente poderia ter sido.

No entanto, logo começaram as polêmicas. Ataques de estrelismo em eventos, desabafos ácidos nas redes sociais, conivência e incentivo à idolatria dos fã-clubes. A fama parecia ter começado a mostrar seu lado destrutivo. O cantor, além de ter mudado radicalmente de vida, também passava por uma de suas fases mais complicadas como ser humano: A adolescência. Como seguir uma vida profissional tão cedo sem misturar os problemas pessoais de ordem natural?

Depois de lançar Geração de Jesus, o jovem cantor se consolida entre os mais populares cantores cristãos. Com isso, Jotta A ganha mais público e mais exposição. O problema é que nem sempre essa exposição é positiva. Assuntos pessoais e até banais comuns à maioria dos garotos de sua idade ganharam a rede causando alvoroço e enxurrada de críticas. Mas, o que esperamos de um garoto, que ele seja perfeito e não erre? A fama infelizmente não transforma ninguém em super herói.

Afinal, o que tem de errado com o Jotta A? Não há nada de errado com ele, mas em nós, sim. Por que cobramos a perfeição de outro ser humano quando nós não somos perfeitos? Você pode estar justificando pelo fato de ele ser cristão. Mas quem disse que sendo cristãos somos perfeitos? Somos humanos. A diferença é que ninguém vai dar importância se algum desconhecido faz um vídeo cômico e joga na internet, pois, no máximo, a família vai ver. Mas o famoso? A repercussão é outra, justamente por acreditarmos que ele é superior e tem mais responsabilidades. Assim, esquecemo-nos de que muitas vezes ele é só um garoto jogado cedo demais num mundo competitivo, onde as pessoas parecem estar sempre dispostas a dar uma rasteira e jogar no chão.

Reafirmo: não há nada de errado com Jotta A. Seus “erros” tão apontados são apenas reflexo de sua humanidade transparente. Na verdade, o falta alguém que lhe ensine a ser menos humano e mais artista: é preciso ocultar emoções, opiniões. Não é permitido errar. O erro, por mais bobo que pareça, consegue tomar proporções inimagináveis na boca de muitos. Por isso, é preciso interpretar e parecer politicamente correto. É preciso zelar da imagem ainda que ela não reflita exatamente a realidade. Porque o público não se importa, afinal, não querem a realidade, e sim a aparência de perfeição. E isso nem é tão difícil de se conseguir.

Para alcançar esta imagem, basta algum investimento em assessoria, gestão de carreira, marketing digital. E, provavelmente, o único erro do cantor é o de não ter os profissionais certos para gerir sua carreira. Jotta A precisa entender que José Antônio e Jotta A não são a mesma pessoa e um não pode interferir na “vida” do outro. Enquanto José Antônio não entender que Jotta A não passa de um produto de mercado, mais e mais dedos serão apontados para ele.

Previous Um Brinde - Você já sabe que Jesus vai voltar, né?
Next Rocklogia - Oficina G3 como um trio

2 Comments

  1. […] quando participou do quadro Jovens Talentos Kids no programa Raul Gil, como também pelas confusões em que seu nome já se envolveu. No entanto, depois de encerrar o contrato com a gravadora Central Gospel, responsável pela […]

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *