Rocklogia – Os primeiros anos da Oficina G3


A Oficina G3 surgiu no mesmo ano que o Catedral (banda que abordamos no último post). Em 1987, a formação da banda era bastante distinta da que conhecemos hoje.

No início da Rocklogia, lá nos anos 70 abordamos as igrejas da década que abraçaram a causa jovem e que, de alguma forma ajudou o rock cristão brasileiro a engatinhar. A Igreja Cristo Salva, a mesma que Janires frequentou enquanto era a instituição que, na década seguinte surgiria a banda de hard rock Oficina G3.

O hard rock é geralmente associado à imagem do Led Zeppelin, que se tornou a maior banda de rock da época após o fim dos Beatles. Black Sabbath, Deep Purple, The Who, AC/DC e Queen também foram de extrema importância durante esta época. Nos anos 80, além de várias outras bandas, tivemos Bon Jovi e Guns n’ Roses. Naquela época, o glam metal ganhava força, e uma forte influência para a Oficina G3 foi o Stryper.

O grupo começou como uma espécie de power trio, composto por Walter (bateria), Maradona (baixo) e Juninho Afram (guitarras). Túlio Regis e Luciano Manga, primeiros vocalistas também estavam nesta época. Inclusive, Manga lançou um livro sobre os primeiros anos da banda.

Nesta época, eles eram o terceiro grupo da igreja e se autointitulavam como Grupo 3. Com uma sugestão alheia, posteriormente foi adotado Oficina G3, sendo oficina uma alusão ao fato do conserto deste estabelecimento e o sacrifício de Cristo que originou uma nova vida.

Na parte criativa, no início do grupo o principal compositor era Túlio Regis. Ele foi autor das músicas mais importantes do grupo neste período, embora Juninho e Maradona tenham escrito algumas músicas também.

Nesta mesma época, surgia a gravadora Gospel Records. Com aproximações cada vez maiores com a Renascer em Cristo, a banda gravou seu primeiro álbum, intitulado Ao Vivo. Alguns desinformados afirmam que este foi o primeiro álbum gravado ao vivo na música cristã nacional, mas em 1985 o Rebanhão lançava Janires e Amigos. Além deste, em 1988 saiu Fruto dos Lábios, da Comunidade da Graça.

Nesta época, Túlio Regis estava passando por problemas familiares, e segundo o artista não recebeu o apoio esperado pela banda. O cantor saiu da Oficina G3, ficando a cargo de Manga, e ocasionalmente Juninho e Walter os vocais.

Comentários

comments

Previous CD Tu Reinas do Diante do Trono acaba de chegar às lojas
Next Vídeo de Silas Malafaia contra Dilma é suspenso da internet por determinação da justiça

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *