O Propagador, de tempo em tempo apresenta o TOP 10 discografias, em que apresentamos listas detalhadas sobre a obra de um certo artista ou banda.

Desta vez, decidimos analisar a obra de integrantes, ex-integrantes e músicos convidados/contratados da Oficina G3, para responder a seguinte questão: quais são as melhores obras solo de Oficina G3? Veja abaixo o resultado da nossa lista.


10º: Sol à Meia Noite – Luciano Manga (2003)

Luciano Manga - Sol à Meia Noite - 2003Após meses do lançamento de um disco “roqueiro”, Luciano Manga produziu um disco contendo músicas que, em sua visão, representavam o que ele vivia no momento: embalado pelo worship, com a sua participação como um dos vocalistas do Vineyard, Manga escreveu canções verticais e simples. O trabalho foi produzido por Amaury Fontenele e recebeu participações especiais do guitarrista Juninho Afram e do cantor David Quinlan.

Ouça: Brilha Tua Glória, Sol à Meia Noite e Marca-me


9º: Reciclável – Walter Lopes (2004)

Walter Lopes - Reciclável - 2004Dando sequência a sua carreira solo, o baterista e cantor Walter Lopes produziu o álbum Reciclável, um projeto acústico que contém, além de canções inéditas, regravações da Oficina G3 da época em que era integrante, além de “Amor de Deus”, do Fruto Sagrado e “Humanidade”, da Banda Rara. O trabalho ainda possui a participação de David Fantazzini e de outros intérpretes, que dividem os vocais com Walter.

Ouça: Humanidade, Magia Alguma e Davi


8º: Imagem e Semelhança – PG (2011)

PG - Imagem e Semelhança - 2011PG é um cantor que funciona muito mais ao vivo do que em estúdio, vide o seu desempenho ao longos dos anos. Imagem e Semelhança foi o segundo trabalho ao vivo do músico, que emendou canções razoáveis, guiadas pelo new metal, com baladas características. Entre as canções mais fortes, o músico versou acerca do farisaísmo e da hipocrisia religiosa. O projeto contém as participações de Erika Ekstein e Celinha Batista e foi gravado na Igreja Bíblica da Paz, para um público de mais de 5 mil pessoas.

Ouça: Eu não Vou me Calar, Deus Criador e Não Pare


7º: Eu Sou Livre – PG (2007)

PG - Eu Sou Livre - 2007Após dois discos solo pouco consistentes, por sugestão da MK Music, PG gravou seu primeiro projeto ao vivo, com algumas canções com pegada worship. Até hoje, seu maior sucesso em carreira solo, PG destacou-se com várias baladas, como “Eu Vou Passar pela Cruz”, “Quem Sou Eu” e, claro, “Meu Universo”, original de Jesús Adrián Romero e que chegou a ser indicada como Melhor música no Troféu Talento, no ano de 2009.

Ouça: Eu Vou Passar pela Cruz, Quem Sou Eu e Meu Universo


6º: Novos Rumos – Déio Tambasco (2004)

Déio Tambasco - Novos Rumos - 2004Déio Tambasco não foi integrante da Oficina G3, mas sim do Katsbarnea, claro. Na época, estava apenas como músico contratado, mas foi com o auxílio da banda, além de seu produtor, Geraldo Penna e de arranjos de Dudu Borges (ex-Resgate) que produziu o segundo disco solo de sua carreira. De sonoridade pop rock, a obra foi lançada pela MK Music, e se baseia nas experiências pessoais do intérprete.

Ouça: Muito Mais, Novos Rumos e A Vida Passa


5º: Para Ti – Túlio Regis (2007)

Túlio Regis - Para Ti - 2007Após anos de silêncio, o vocalista original da Oficina G3, Túlio Regis, gravou seu primeiro disco de canções solo, o qual contém, também, músicas gravadas pela banda de sua autoria. Com a participação de seu ex-colega Luciano Manga e de Duca Tambasco e Juninho Afram, a obra contém todos os elementos que o caracterizam, com sonoridade contemporânea.

Ouça: Para Ti, Elevo Meus Olhos e É Teu Meu Amor


4º: Ao Som dos Tambores – Alexandre Aposan (2007)

Alexandre Aposan - Ao Som dos Tambores - 2009A impressão dada por Ao Som dos Tambores, primeiro álbum solo de Alexandre Aposan, é de um disco que é cartão de visita para workshops. Demonstrando todo o virtuosismo do músico, o projeto é um prato cheio de participações especiais, como as do cantor Paulo César Baruk, Mauro Henrique (pela FullRange) e Pregador Luo.

Ouça: Free or Crazy, Há Poder e Ao Som dos Tambores


3º: Fóssil Praise – Luciano Manga (2003)

Luciano Manga - Fóssil Praise - 2003Seu primeiro trabalho solo, lançado anos depois de ter saído da Oficina G3, é um recheado de clássicos. Luciano Manga resolveu utilizar-se de antigas canções cristãs já conhecidas, e transformá-las em canções hard rock. Claro, isso foi muito antes da “modernização” de cânticos tornar-se moda e clichê, e há muito de interessante acerca do disco. Além disso, o músico repaginou duas músicas de sua ex-banda, “Naves Imperiais” e “Valéria”.

Ouça: A Paz do Senhor, Alfa e Ômega e Nosso General


2º: 3D – Celso Machado (2011)

Celso Machado - 3D - 2011Assim como Déio Tambasco, Celso Machado nunca foi integrante da Oficina G3, mas teve uma parceria como músico contratado por mais tempo que vários ex-membros. Por quase dez anos esteve responsável por guitarras e alguns violões nos discos, apoiando Afram. Em 2011, lançou um disco totalmente instrumental, com arranjos autorais e produzido pelo próprio guitarrista. O cantor Mauro Henrique ficou responsável pela mixagem e masterização. Além disso, a capa, produzida por Douglas Wolf, com fotos de Jacky Dantas, é um destaque a parte.

Ouça: Harvest, Born Again e Escatologia


1º: Na Estrada – Walter Lopes (2003)

Walter Lopes - Na Estrada - 2003Após deixar a Oficina G3 em 2002, um dos fundadores da banda, Walter Lopes, decidiu montar outro grupo, chamado Judas, o Outro. Neste ínterim, produziu um disco totalmente solo e totalmente instrumental. A sonoridade é contagiante e eclética, passeando pelo hard rock, new prog, com uma produção musical e arranjos apurados. Uma pena que o disco, no entanto, passou desapercebido por vários fãs da Oficina, mas chegou a ser indicado a Melhor Álbum Instrumental no Troféu Talento.

Ouça: Inexplicável, H.C.C 02 e KM 380


E para você, quais são as melhores obras solo de Oficina G3? Mudaria algum álbum de lugar? Comente, sua opinião é importante!