Em época de retrospectiva e balanço do que teve de mais importante no meio musical evangélico, o TOP 10 de hoje é justamente sobre as melhores músicas do nicho lançadas em 2015. Trata-se de canções inéditas que, além da aceitação de seu público, se destacaram pela qualidade das letras, interpretações e produção. Se você é ligado aos diversos gêneros agregados à música cristã, certamente conhece todas, ou pelo menos a maioria, das listadas.

Venha ler e dar o play para conhecer ou relembrar o que teve de melhor no cenário musical cristão em 2015.


10º: A Oferta Sou eu – Cassiane (do álbum Eternamente)

“A Oferta Sou Eu”, música integrante do disco Eternamente da cantora Cassiane, é uma composição de Tony Ricardo e ilustra bem o vislumbre de novo momento da cantora e da própria musica pentecostal, antes caracterizada primordialmente pelos chavões triunfalistas e antropocêntricos. Com arranjos simples, backing vocals discretos e ênfase completa na interpretação certeira da cantora, a canção se sagra como um dos destaques musicais positivos do ano, embora não seja single do álbum. A letra em primeira pessoa remete a uma oração que diz: “Hoje eu não vim pedir salário / Hoje eu não vim buscar milagre / Eu não vim atrás da Tua benção / Mesmo que minhas forças se acabem / Hoje eu não vim pelos troféus / Nem coisas gloriosas para mim / Hoje a oferta sou eu”.


9º: Rompendo – Elaine Martins (do álbum Rompendo)

Composta por Junior Maciel e Josias Teixeira, a canção “Rompendo” é o carro-chefe do novo álbum de Elaine Martins, sucessor de Santificação (2014). Com produção musical de Ronny Barboza, a faixa-título versa sobre a luta da igreja contra o pecado, mostrando que ainda acreditam nos valores tradicionais, como a família. Embora o arranjo não indique novidades, Elaine se sobressai com uma interpretação nem um pouco linear.


8º: A Maior Aventura – Tanlan

Após três anos do álbum Um Dia a Mais, o qual indicou a direção do quarteto gaúcho para o post-grunge, “A Maior Aventura” confirma que a Tanlan pretende seguir esta linha. Lançado nas plataformas digitais e com direito a um videoclipe, a música faz parte de um novo álbum, ainda sem prazo de lançamento.


7º: O Bilhete e o Trovão – Os Arrais (do álbum As Paisagens Conhecidas)

A dupla de irmãos que colocou o folk de vez no mainstream, apresentou em 2015 seu EP As Paisagens Conhecidas. “O Bilhete e o Trovão” tem a fórmula que tornou Os Arrais conhecidos: música autoral, interpretação singela, mas marcante, riqueza poética, dueto harmonioso e muitas cordas. Falado sobre os momentos em que a fé é colocada à prova, os irmãos cantam: “Quando o lápis resiste obedecer e eu tento me impor / Quando o copo balança em minhas mãos eu temo compor / Seja a minha canção: Estrofe, ponte e refrão”.


6º: Vou Voar – Livres para Adorar (do álbum Só em Jesus)

Enquanto o álbum Mais um Dia foi um misto de melancolia e esperança numa sonoridade densa, “Vou Voar” abriu Só em Jesus em vocais de Juliano Son mais alegres do que nunca. A influência do britpop no arranjo lembrou claramente a fase do clássico Cosmotron, da banda mineira Skank, lançado em 2003 e Coldplay, especialmente pelos (clichês) vocais de apoio ao final.


5º: Casa do Pão – Heloisa Rosa (do álbum Paz)

“Casa do Pão” é uma das principais faixas do novo álbum de Heloisa Rosa, Paz. A música reflete o anseio da humanidade pela paz que excede todo entendimento e só pode ser verdadeiramente encontrada em Jesus. Com arranjo suave, a canção cresce conforme seu desenvolvimento, até chegar ao ápice com as execuções de bateria de Ronald Melo acompanhada pelos violinos de Aramís Rocha e Robson Rocha.


4º: Seu Amor – Amanda Rodrigues (do álbum Sobre Ele)

Principal revelação da música cristã contemporânea em 2015, Amanda Rodrigues, logo em seu disco de estréia, chamou a atenção por sua poesia. “Seu Amor”, faixa de abertura do álbum Sobre Ele, traz versos autorais que mesclam pop com lampejos de reggae. Em forma de oração, mostra esperança e alegria dentro de um mundo conturbado: “Sabe Senhor, ultimamente aqui tem sido complicado / Eu tenho que lutar dia após dia contra o pecado / E o Seu amor, eu sei, já tenho / É o que me leva um pouco mais / E a Sua graça que me ensina a suportar até o insuportável”.


3º: Até Lá – Rafaela Pinho (do álbum Laços)

A composição de Tercio Pinho Junior, irmão de Rafaela Pinho, escolhida como música de trabalho de seu disco Laços, é um dos mais soberbos registros musicais de 2015. Com uma letra tocante versando sobre esperar até que as coisas melhorem aqui na terra e, por fim, no céu, a cantora imprime sua voz em uma das melhores interpretações da carreira cantando: “Até lá Deus vai cuidar da sua vida / Até lá, de vez em quando saímos do trilho e erramos nosso caminho / mas um dia ninguém irá mais errar / agüente até lá”


2º: Mensageiro – Regina Mota (do álbum …De Novo)

Escrita pelo cantor, compositor e poeta João Alexandre, “Mensageiro” soa facilmente como uma continuação de “Viver e Cantar”. Com a mesma temática, Regina Mota conseguiu iniciar o álbum …De Novo com grande estilo. Ao som do jazz, a intérprete enfatiza: “Não devo me esquecer: Sou um mero mensageiro / A voz, o violão, as armas de um guerreiro / Que traz sobre os seus ombros o peso verdadeiro da canção / Quem canta sobre as coisas lá do céu, não deve desviar / Quem faz da sua voz a voz de Deus, tem que sempre vigiar”.


1º: Ninguém Vai Saber – Resgate (do álbum 25 Anos)

Desde Ainda não É o Último (2010), a temporalidade e o amadurecimento pessoal são temas recorrentes nas músicas do Resgate. Com tom autobiográfico, Zé Bruno escreveu “Ninguém Vai Saber” com base na brevidade da vida e o pouco tempo que os seres humanos tem para acertar o alvo nesta trajetória. Os costumeiros hammonds e guitarras cobrem o arranjo desta música que é considerada, pela equipe do O Propagador, como a melhor música de 2015.

E vocês? Concordam com nossa lista?